História de Héstia

Os deuses do lar mais conhecidos no Ocidente talvez sejam os lares romanos, mas a mitologia grega também tem sua própria divindade encarregada pelos assuntos domésticos, Héstia em sintonia com todas as religiões antigas tinha uma divindade para cada aspecto da vida.

Hestia era, na mitologia grega, a deusa do lar e da cozinha, aspectos intimamente ligados

Devemos entender que naquela época as pessoas passavam muito tempo dormindo e realizando as tarefas domésticas necessárias, já que os lares eram pequenos e insalubres. Isso acontecia para a grande maioria da população, com exceção aos mais abastados, que podiam ter casas maiores, com espaços abertos, bem ventilados e serviços de limpeza.

Héstia era a deusa do fogo, um elemento chave para a sobrevivência das pessoas da época, e isso dava sentido à cozinha, além de ser uma arquitetura.

Com estas "atribuições" e "competências", Héstia podia cumprir com todos os aspectos importantes do lar, desde sua concepção até seu uso diário. Por causa de sua condição, Héstia recebia o primeiro sacrifício dos banquetes, que segundo a mitologia era dedicado a ela o primeiro sacrifício público.

Era a irmã mais velha de Zeus, o deus pai, filha dos titãs Cronos e Reia, embora fosse muito menos conhecida que seu irmão mais novo e os outros irmãos de Zeus. Isso lhe ajudou, segundo os relatos, a não sair do Olimpo e, portanto, não interferir nas disputas entre os deuses e os humanos.

No Olimpo, como era sua condição de deusa do lar, cuidava de todos os aspectos referidos à morada dos deuses

Sua casa estava situada no ponto mais alto da montanha, o que dá uma pista sobre a preeminência desta deusa nos aspectos domésticos, inclusive estando à frente de seu irmão e do principal deus do panteão grego.

Na casa dos deuses, ela e seu sobrinho Hermes eram os responsáveis pela preparação dos banquetes, algo extremamente importante na tradição grega, que os mortais "importaram" dos deuses e que estes refletiam como a criação de suas imagens.

Foi a deusa que prometeu permanecer virgem e não entregar-se a nenhum outro deus

Na verdade, esta medida foi tomada porque seu amor era disputado por Poseidon e Apolo, e tomando esta atitude conseguiria evitar o primeiro confronto entre os deuses do Olimpo, pois assim não seria de um nem do outro.

Os sacrifícios dedicados a ela costumavam ser por este motivo - em alusão à sua eterna virgindade – através de bezerros com menos de um ano de idade, animais virgens e puros.

No entanto, seu animal favorito, todo decorado para celebrar as festividades, era o burro. Isto se deve a um episódio em que Príapo tentou estuprá-la depois de uma festa na qual os deuses acabaram adormecendo e Hestia foi alertada pelos zurros do burro de Sileno.

Vesta era a deusa romana que correspondia à Héstia, responsável pelo culto das vestais (suas sacerdotisas), sendo um dos mais importantes da cidade eterna.

As vestais também deveriam ser virgens, assim como Vesta e sua homologa grega Héstia. De fato, um dos maiores escândalos ocorridos na Roma republicana foi ocasionado, precisamente, pela mancha dessa virgindade. Mas isso já é outra história...

> Proximo >>>

Fotolia. (em ordem de apariçâo)
jozefklopacka


Buscador