Biografia de Catarina, a Grande

A tradição russa de grandes e memoráveis imperadores encontrou em Catarina a Grande uma razão para continuar sendo sustentada. Esta grande mulher, de caráter forte e atitude, governou a Rússia em uma das épocas mais críticas e importantes da qual se consolidou como potência mundial. Ao longo de seu reinado, a Rússia conseguiu tornar-se um território organizado e forte que começaria a fazer frente aos países da Europa Ocidental.

A infância na Polônia e sua entrada ao mundo real

Da mesma maneira que ocorreu com as grandes imperatrizes, rainhas e princesas da monarquia europeia de toda a história, Catarina (em russo, Yekaterina Velikaya) fez parte de uma complexa rede de famílias cercadas pelo poder e que eram participantes diretas de intrigas, casamentos arranjados e negociações de poder. Nasceu no ano de 1729 em uma região que atualmente pertence à Polônia, mas que nessa época esteve sobdomínio do Império Russo. Seu nome original era Sofía, mas com o passar do tempo sua identidade mudou e o nome Catarina permitiu definir sua firmeza e caráter.

Arranjada para casar com o futuro czar russo, Pedro III, Catarina deixou sua cidade natal e em pouco tempo incorporou as tradições do povo russo, que distavam das conhecidas em sua infância, especialmente das que fazia em sua religião. Já na corte real, Catarina se casou com Pedro III no ano de 1745. Nos primeiros dias o casal manteve uma relação correta, mas a má administração do seu esposo, o confronto com a igreja, somado ao destrato público fizeram com que a união terminasse em "guerra pelo poder". O Czar mantinha um relacionamento de longa data com uma amante e assim ordenou que Catarina deixasse o Palácio.

Por outro lado, Catarina manteve muitos relacionamentos amorosos durante sua vida e desta forma teve um filho, resultado de uma infidelidade com Sergei Saltykov, Paulo I da Rússia, o qual se tornaria seu único herdeiro. Além disso, teve outros dois filhos, sobre os quais não há muitas referências, Anna Petrovna e Alekséi Bóbrinski.

Quase vinte anos depois do casamento, em 1762, Pedro seria deposto do poder em um ataque que acreditava ser responsabilizado pela própria Catarina. Assim, foi capaz de subir ao trono até o dia de sua morte.

Medidas de governo e um espírito reformador

Em continuidade com o espírito reformista de Pedro, o Grande, Catarina (oficialmente chamada de Catarina II) se tornou uma czarina que prestou uma atenção especial à transformação e à modernização do Império Russo. Com o título de Imperatriz e Autocrata de Todas as Russas, esta poderosa mulher soube proporcionar ao seu governo uma aproximação às artes, às cartas e às escrituras dos maiores pensadores europeus da época, especialmente aqueles que seriam tomados como base para a Revolução Francesa e daqueles que eram seus amigos próximos.

Totalmente empenhada em transformar a estrutura administrativa e produtiva russa, Catarina entrou de cabeça no Iluminismo que prevalecia na época e ganhou o respeito de seus colegas europeus que a princípio a olhavam com desconfiança. A cultura e a difusão da intelectualidade foram suas grandes políticas, além de proporcionar prosperidade econômica à Rússia.

Renovou a atividade agrícola modernizando as técnicas e a maquinaria utilizada

Isto foi especialmente importante se considerarmos que a Rússia não havia alcançado um processo de industrialização para aquela época e que a grande maioria da população era camponesa. Além de buscar expandir os territórios, tentou organizar a própria estrutura da sociedade, embora isso não significasse necessariamente benefícios para os mais humildes, mas sim ao contrário.

Suas conquistas e avanços, obra de sua própria força e clareza como governante, foram definitivamente importantes para a história moderna da Rússia e é por isso que é considerada uma das principais responsáveis pela consolidação russa como potência.

> Proximo >>>

Buscador